Seu Browser não suporta JavaScript!
TJBA Radio
Rádio TJBA RÁDIO TJBA
Selo Justiça
Facebook Twitter Youtube Flickr Instagram

Outubro Rosa: artigo traz informações importantes sobre o câncer de mama

Texto: Ascom TJBA

Compartilhar:
Imagem Galeria

Esclarecer sobre o câncer de mama e conscientizar sobre a importância de se prevenir e de fazer acompanhamento, para que, em casos positivos, o diagnóstico seja precoce. Esse é o objetivo da Campanha Outubro Rosa e o Poder Judiciário da Bahia (PJBA), por meio da Coordenação de Saúde Ocupacional (COSOP), apoia essa causa. O artigo, que segue abaixo, busca esclarecer um pouco mais sobre a doença.

Dentro das ações de orientação previstas para este mês, a Coordenadora de Saúde Ocupacional, Diana Vincis, informa, de modo didático, sobre o que é o câncer de mama; quais os tipos; fatores que aumentam o risco; sinais e sintomas; exames diagnóstico; e tratamento.

No PJBA, a COSOP e a Diretoria de Assistência à Saúde (DAS) encontram-se de portas abertas para esclarecimento de quaisquer possíveis dúvidas médicas em relação à prevenção ou diagnóstico do câncer de mama, em qualquer época do ano.

 

O Câncer de Mama
Por Diana Vincis, Coordenadora de Saúde Ocupacional do PJBA

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células anormais da mama, que forma um tumor com potencial de invadir outros órgãos. 

Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem lentamente. A maioria dos casos, quando tratados adequadamente e em tempo oportuno, apresenta bom prognóstico.

O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. 

De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), temos uma estimativa de novos casos: 66.280 em 2021. Em número de mortes, foram contabilizadas 18.295, sendo 18.068 mulheres e 227 homens em 2019 – Atlas de Mortalidade por Câncer- SIM.

O câncer de mama não tem somente uma causa. A idade é um dos mais importantes fatores de risco para a doença (cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos).

Outros fatores que aumentam o risco da doença são:Tabela-Fatores_Cancer-de-Mama Outubro Rosa: artigo traz informações importantes sobre o câncer de mama Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis como:
– Praticar atividade física
– Manter o peso corporal adequado
– Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
– Amamentar seu bebê
– Amamentar o máximo de tempo possível é um fator de proteção contra o câncer.
– Não fumar e evitar o tabagismo passivo são medidas que podem contribuir para a prevenção do câncer de mama.

O câncer de mama pode ser percebido em fases iniciais, na maioria dos casos, por meio dos seguintes sinais e sintomas:
– Nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor: é a principal manifestação da doença, estando presente em cerca de 90% dos casos quando o câncer é percebido pela própria mulher
– Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja
– Alterações no bico do peito (mamilo)
– Pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço
– Saída espontânea de líquido anormal pelos mamilos

Esses sinais e sintomas devem sempre ser investigados por um médico para que seja avaliado o risco de se tratar de câncer.

É importante que as mulheres observem suas mamas sempre que se sentirem confortáveis para tal (seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano), sem técnica específica, valorizando a descoberta casual de pequenas alterações mamárias.

Em caso de permanecerem as alterações,  elas devem procurar logo os serviços de saúde para avaliação diagnóstica.

A postura atenta das mulheres em relação à saúde das mamas é fundamental para a detecção precoce do câncer da mama.

O Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento (exame realizado quando não há sinais nem sintomas suspeitos) seja ofertada para mulheres entre 50 e 69 anos, a cada dois anos. A recomendação brasileira segue a orientação da Organização Mundial da Saúde e de países que adotam o rastreamento mamográfico. 

Mamografia é uma radiografia das mamas feita por um equipamento de raios X chamado mamógrafo, capaz de identificar alterações suspeitas de câncer antes do surgimento dos sintomas, ou seja, antes que seja palpada qualquer alteração nas mamas. Em mulheres jovens esse exame não apresenta uma boa sensibilidade, pois as mamas são mais densas, sendo então orientada realização de ultrassonografia das mamas.

Um nódulo ou outro sintoma suspeito nas mamas deve ser investigado para confirmar se é ou não câncer de mama. Para a investigação, além do exame clínico das mamas, exames de imagem podem ser recomendados, como mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética. A confirmação diagnóstica só é feita, porém, por meio da biópsia, técnica que consiste na retirada de um fragmento do nódulo ou da lesão suspeita por meio de punções (extração por agulha) ou de uma pequena cirurgia. O material retirado é analisado pelo patologista para a definição do diagnóstico.

O tratamento do câncer de mama depende da fase em que a doença se encontra (estadiamento) e do tipo do tumor. Pode incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica (terapia alvo).

Quando a doença é diagnosticada no início, o tratamento tem maior potencial curativo. No caso de a doença já possuir metástases (quando o câncer se espalhou para outros órgãos), o tratamento busca prolongar a sobrevida e melhorar a qualidade de vida.

SAIBA MAIS:
OUTUBRO ROSA: COORDENAÇÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL CHAMA ATENÇÃO PARA A NECESSIDADE DE ADOÇÃO DE HÁBITOS SAUDÁVEIS NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA: PARCERIA DO PJBA E FUNDAÇÃO JOSÉ SILVEIRA ATENDE MAIS DE CEM MULHERES NO TRIBUNAL

 

Compartilhar:
Imprimir