Seu Browser não suporta JavaScript!
TJBA Radio
Logo
Rádio TJBA RÁDIO TJBA
Selo Justiça
Facebook Twitter Youtube Flickr Instagram

Orientações

Lavar as mãos com água e sabão é o cuidado número um, especialmente após usar o banheiro, ao chegar a casa e antes de manipular alimentos.

Na ausência de água e sabão, a higienização pode ser feita com um desinfetante para as mãos à base de álcool.

- Evite tocar nos olhos, nariz e boca caso as mãos não estejam lavadas. Objetos e superfícies tocados com frequência também devem ser higienizados. O ideal é não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos e talheres.

- Aglomerações devem ser evitadas, assim como beijos, abraços e apertos de mão. Mantenha distância também de pessoas com sintomas de gripe. E, caso você quem esteja doente, procure assistência médica e siga as orientações. Ao tossir, cubra boca e nariz com um lenço de papel e jogue no lixo em seguida.

- Além de manter o ambiente limpo e atentar para a higienização das mãos, a equipe de saúde da Corte baiana enfatiza a importância de cultivar hábitos saudáveis para fortalecer a imunidade, como dormir e alimentar-se bem, manter-se hidratado e praticar atividade física regularmente.

- Mantenha os ambientes sempre ventilados e arejados.


Principais Sintomas

Os sinais e sintomas da COVID-19 são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem também causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias.

Os principais sintomas são:

- Febre;

- Tosse Seca;

- Dificuldade para respirar;

- Insuficiência renal, em casos mais graves.


TRATAMENTO

Busque o Serviço de Saúde mais próximo de você. Assim que os sintomas surgirem, é importante procurar ajuda médica imediata para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento.


DÚVIDAS

Devo usar máscaras?

Apenas se estiver com os sintomas da doença, para evitar a transmissão do vírus, ou se mantiver contato com pessoas infectadas, como no caso dos profissionais de saúde. Quem não apresenta sintomas deve apenas adotar as medidas de prevenção.

Usar o álcool em gel é mais eficiente do que lavar as mãos como medida preventiva?

Não. A higienização das mãos com água e sabão por cerca de 40 segundos já é suficiente para previnir a contaminação pelo coronavírus. O uso de álcool em gel 70% é uma forma alternativa de manter a higienização. Ele é importante para a limpeza de objetos e superfícies usadas com frequência que podem favorecer o contágio.

Quem deve ficar em casa?

- Pessoas com diagnóstico do COVID-19;

- Pessoas com suspeita do COVID-19 e que aguardam diagnóstico;

- Pessoas com contato domiciliar de casos confirmados e suspeitos de COVID-19;

- Pessoas que voltaram de viagens internacionais:

-Por sete dias, se não apresentar sintomas

-Por 14 dias, se apresentar sintomas *

A decisão de optar pelo isolamento deverá passar antes pela avaliação do MÉDICO responsável.

*Apresentando febre, tosse e falta de ar, a recomendação é procurar uma unidade de saúde.


ATENÇÃO

As pessoas não devem procurar atendimento médico se tiverem apenas tosse, apenas coriza e sensação de moleza no corpo ou apenas febre. A recomendação é que a rede de atendimento seja procurada se os sintomas aparecerem ao mesmo tempo.

Caso ocorra apenas um dos sintomas, a recomendação do Ministério da Saúde é contatar o número 136 para que uma equipe de saúde possa dar orientações.


LAVAGEM
das MÃOS




A pandemia do COVID-19, anunciada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), é uma preocupação de todos e por isso, as possíveis formas de prevenção tornaram-se o foco das abordagens de diversos profissionais de saúde

- Diante disso, seguem algumas orientações que podem ser interessantes para melhorar a qualidade da alimentação e fornecer importantes nutrientes para o sistema imune:

- Consumir de 400 a 500g de frutas e/ou vegetais por dia, fracionando em diferentes refeições, pois estes alimentos são as maiores fontes de nutrientes e fítoquímicos importantes para o sistema imunológico.

- Reduzir de forma significativa o consumo de bebidas alcoólicas, açúcar (principalmente o refinado) e alimentos ultraprocessados (margarina, biscoitos recheados, salgadinhos “de pacote”, adoçantes artificiais, sucos e sopas em pó, refrigerantes, macarrão instantâneo, embutidos: presunto, peito de peru, salame, mortadela).

Manter bom consumo de água (em média dois litros por dia);

Além dessas orientações essenciais, priorize:

- Aumento do consumo de alimentos fonte de vitamina C: acerola, goiaba, kiwi, morango, laranja, limão, brócolis, folhas de mostarda, salsa, pitanga.

- Aumento do consumo de alimentos fonte de selênio: Castanha do Pará (2-3 unidades por dia); e semente de girassol sem casca (1-2 colheres de sobremesa cheias por dia, na fruta ou na salada ou no iogurte).

- Aumento do consumo de alimentos fonte de zinco: semente de abóbora, castanha de caju, nozes, amêndoas, carnes bovina, de frango e de peixe. Aumento do consumo de alimentos fonte de vitamina A: cenoura, batata doce, abóbora, folhas de brócolis, manga, couve.

- Aumento o consumo de alimentos fonte de ferro: Fontes vegetais: gergelim, agrião, espinafre, feijão carioca, ervilha, couve e fontes animais: carne vermelha, principalmente fígado de boi.

- Aumento do consumo de alimentos fonte de magnésio: folhosos verde escuros (couve, espinafre, agrião, rúcula), semente de abóbora, castanha do Pará, amêndoas, nozes, grão de bico, semente de girassol, aveia, abacate, cacau em pó.

- Aumentar o consumo de alimentos fonte de ômega3: animais: peixes (sardinha, atum) e vegetais: semente de linhaça, semente de chia, beldroega.

Mas, ainda que não ofereça a resposta de proteção imediata que as pessoas tanto desejam, não significa sua inutilidade, como muitos podem pensar. O suporte nutricional ao sistema imunológico é sempre válido, pois oferece proteção contra outras doenças importantes, mas de menor complexidade que a causada pelo coronavírus.

Desse modo, a pandemia do COVID-19 permite a reflexão do quão importante são os cuidados de saúde direcionados à prevenção. Pois, assim como surgiu esta doença, outras podem se desenvolver no decorrer do tempo, e nesse contexto é importante mantermos nosso corpo e mente saudáveis.

Entenda isso como uma responsabilidade e um ato de amor próprio e pelo próximo. Que esse momento de recolhimento a favor da saúde e bem estar da coletividade seja o tempo de nós intensificarmos, ou até mesmo iniciarmos, práticas de autocuidado corporais. Nunca é tarde demais para cuidarmos da alimentação e conferir ao nosso corpo, os nutrientes que ele precisa para ter vitalidade e uma imunidade equilibrada. Então façamos a nossa parte, que é: seguir os cuidados básicos de prevenção orientados pelas autoridades (lavar as mãos, evitar aglomerações, entre outras), manter alimentação saudável e consciente, evitando excessos, ter um sono adequado (pelo menos 6 horas por noite) e vigilância a saúde mental (buscando administrar a sensação de insegurança coletiva e ansiedade).


Para matar o vírus, os surfactantes, substâncias presentes em sabonetes, detergentes, sabões e em alguns shampoos, dissolvem a "capa protetora" dele, que é feita de gordura.
O álcool em gel também tem o mesmo efeito

Lave as mãos regularmente com água e sabão por 20 segundos. Use o álcool em gel apenas se não tiver como fazer isso, como no ônibus


Para higienizar superfícies, use produtos com álcool comum ou cloro, como água sanitária, limpadores multiuso, detergente ou sabão. Estes produtos não são indicados para a pele


Atenção!

Não tente fazer álcool em gel caseiro. Além de não ter a eficiência comprovada, pode causar acidentes como queimaduras e intoxicação.


Para evitar a propagação do vírus, use o elevador se estiver sozinho ou acompanhado de pessoas do mesmo setor.


Se o elevador estiver cheio, aguarde o próximo ou use escadas.


A correlação entre cérebro, comportamento e sistema imunológico tem implicações comprovadas pela ciência e estudos realizados no século XX, que comprovam que estressores psicossociais diminuem a eficiência do sistema imunológico aumentando sintomas patológicos. A diretora do Centro de Saúde do Câncer em Nova York, Dra Margaret Kemeny e a PHD Tara Guernewald, professora da Universidade de Chapman na Califórnia, publicaram um estudo em 1999, sob a temática Psiconeuroimunologia. Comprovaram que uma ameaça biológica tem um grau de potência ou imunocompetência que evoca a capacidade do sistema imunológico reagir em proteção ao organismo. A associação dos estados emocionais do sujeito e suas características de personalidade vinculadas à qualidade de suas relações sociais impactam diretamente na eficiência de atuação do sistema imunológico. Em outras palavras, cada organismo esboça saúde física e emocional como resultante das estratégias de confronto que espelham das relações sociais.

As relações traumáticas e os significados pessoais constroem estratégias de defesa que afetam o sistema imunológico e estas podem potencializar saúde e doença em uma determinada experiência.

Segundo outros pesquisadores, acontecimentos sociais afetam diretamente a capacidade de reação do Sistema Imunológico, impactando a condição do organismo tornar-se mais ou menos susceptível a contaminação de um determinado agente patológico.

Assim, emoções negativas e pensamentos pessimistas diminuem a defesa corporal.

Entendam: quanto mais nós estivermos susceptíveis em termos emocionais e subjetivos às notícias ruins e as emoções negativas, menos o sistema imunológico se tornará apto a nos proteger e, portanto, não conseguiremos reagir às exposições de um agente patogênico.

Isto não significa que não devamos nos informar ou deixar de adotar ações preventivas como lavar a mão com sabão, usar álcool gel, evitar aperto de mão, etc. e tal.

Mas a nossa condição mental ao sermos expostos a notícias ruins e experiências estressantes, deve ser de vigilância e filtro, para favorecer o nosso sistema imunológico a nos proteger.

Concluímos com isto que o saber grego ainda é válido e uma mente sadia realmente favorece a um corpo saudável.