Seu Browser não suporta JavaScript!
TJBA Radio
Rádio TJBA RÁDIO TJBA
Selo Justiça
Facebook Twitter Youtube Flickr Instagram

Juízes Substitutos iniciam Curso de Formação com aula magna ministrada pelo Presidente do PJBA

Texto: Ascom TJBA

Compartilhar:
Imagem Galeria
Aula magna ocorreu de forma virtual nessa segunda-feira (18)

O Presidente do Poder Judiciário do Estado da Bahia (PJBA), Desembargador Lourival Almeida Trindade, abriu os trabalhos do “Curso de Formação Inicial para Juízes Substitutos do PJBA” nessa segunda-feira (18). A aula magna, ministrada virtualmente, via plataforma de videoconferências LifeSize, tratou do tema “A Mídia e o Processo Penal”. Na qualidade de professor de Direito Processual Penal, o Desembargador Presidente fez uma exposição histórica e atual sobre tão discutido tema, com o enfoque legal e doutrinário.

Em sua explanação, o Chefe do Judiciário baiano citou uma centena de autores e suas obras, como: Humberto Eco – Viagem na Irrealidade Cotidiana; Ana Lúcia Menezes Vieira – Processo penal e mídia e Fábio Martins de Andrade – Mídia e Poder Judiciário, a influência dos órgãos da mídia no processo penal brasileiro.

“Não muito tempo atrás, se quisessem tomar o poder político de um país, era suficiente controlar o poder político e a polícia (…) hoje um país pertence a quem controla os meios de comunicação”, disse. “Os órgãos de informação devem atuar, com a maior liberdade possível, contudo, não podem violar princípios basilares do processo penal, substituindo o due process of law, por um julgamento, sem processo, paralelo e informal”, completou referenciando diversos autores.

Em outro trecho, o Desembargador Lourival Trindade destacou que “as cautelas referidas devem ser seguidas pela mídia na divulgação dos atos do processo penal. Embora os atos sejam públicos, o acusado ainda se presume inocente, até o trânsito em julgado da sentença condenatória, principalmente se a decisão for absolutória, o excesso de publicidade pela mídia poderá destruir a imagem do acusado de maneira irreversível”.

E concluiu dizendo que a “liberdade de imprensa e publicidade dos atos judiciais são valores democráticos que não se contrapõem, mas identificam-se. A manifestação pública do processo é a forma mais veemente de exteriorização dos atos do Poder Judiciário. É pela publicidade dos atos do processo que a Justiça se legitima, pois torna-se transparente e suscetível de controle popular, o que é imprescindível numa democracia”.

Após a aula magna, o Desembargador Lidivaldo Reaiche Raimundo Britto deu continuidade aos trabalhos e retratou a História do Tribunal da Bahia, desde a época que funcionou como o Tribunal da Relação. Estudioso e pesquisador do tema, o Desembargador Lidivaldo, que é Presidente da Comissão Temporária de Igualdade, Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos Humanos (Cidis) e membro da Comissão Permanente de Memória, lançará, a partir do dia 7 de março, por meio da Comissão de Memória, uma coluna semanal sobre os acontecimentos históricos do Tribunal mais antigo das Américas.

O início do módulo local do Curso Oficial de Formação Inicial foi acompanhado pelos 51 juízes substitutos do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA), aprovados no último concurso e já devidamente empossados, e também por outros magistrados e convidados.

Integraram a mesa de honra virtual do evento, o Presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), Desembargador Jatahy Júnior; o 1º Vice-Presidente do TJBA, Desembargador Carlos Roberto Santos Araújo; o 2º Vice-Presidente do TJBA, Desembargador Augusto de Lima Bispo; o Corregedor-Geral da Justiça, Desembargador José Alfredo Cerqueira da Silva; o Corregedor das Comarcas do Interior, Desembargador Osvaldo de Almeida Bomfim; o Diretor-Geral da Universidade Corporativa (Unicorp), Desembargador Nilson Castelo Branco; e o Vice-Diretor da Unicorp, Desembargador José Aras Neto.

Também se inscreveram para acompanhar a aula magna as Desembargadoras Rita de Cássia Magalhães, Maria de Fátima Silva Carvalho, Nágila Brito, Gardênia Duarte e Ivone Bessa; os Desembargadores Mário Albiani Júnior, Pedro Guerra, Salomão Resedá, Abelardo da Matta, Raimundo Cafezeiro, Maurício Kertzman e Lidivaldo Britto; a Presidente da Associação dos Magistrados da Bahia (Amab), Juíza Nartir Weber; a Assessora Especial da Presidência I – Magistrados, Juíza Eduarda de Lima Vidal; e a Juíza Rita Ramos, Coordenadora- Geral da Unicorp, que deram boas-vindas aos novos magistrados e colegas.

O Curso – Realizado imediatamente após a posse dos magistrados aprovados em concurso e concomitante à entrada em exercício de suas funções judicantes, o Curso de Formação Inicial está em conformidade com a Resolução nº 02/2016, da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), e com a Emenda Constitucional nº 45. Sua realização busca proporcionar aos novos magistrados formação específica para a atividade judicante, desenvolvendo nestes as competências, habilidades e atitudes necessárias para o pleno exercício da magistratura.

A formação contempla o conteúdo programático mínimo proposto pela Enfam, as diretrizes emanadas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e também temáticas de interesse do Poder Judiciário do Estado da Bahia. Considerando esse escopo, o curso estrutura-se, então, em três módulos: um nacional e dois módulos locais.

O módulo nacional (módulo I) é realizado pela Enfam, em seu ambiente virtual de aprendizagem, e totaliza 40 horas/aula. Já o módulo local soma 448 horas/aula e é dividido em uma parte teórica e outra prática, as quais serão ministradas por magistrados e servidores do Judiciário baiano.

No Módulo Local Teórico (Módulo II), que conta com 204 horas/aula, será desenvolvido o conteúdo programático mínimo constante no Anexo II da Resolução Enfam nº 02/ 2016 e também conteúdo teórico de interesse específico do TJBA. As aulas serão realizadas em salas virtuais, nas plataformas LifeSize e Zoom, e também no Ambiente Virtual de Aprendizagem da Unicorp. Vale lembrar que esse módulo iniciou com a aula magna, realizada ontem, e seguirá até o dia 7 de abril, sempre das 8h20 às 12h.

Já o Módulo Local de Prática Supervisionada (Módulo III), que conta com 244 horas/aulas, é destinado à execução das atividades práticas em Unidades Judicias do PJBA, de forma  supervisionada. O Módulo III também teve início nessa segunda-feira (18), seguindo, no entanto, até o dia 15 de abril. As atividades práticas educacionais ocorrerão no turno vespertino, das 14h às 17h40.

De acordo com a Unicorp, o intuito é que, ao final do Curso de Formação Inicial, os novos juízes, além de terem internalizado novos conhecimentos, desenvolvam competências fundamentais para o exercício da função judicante, baseada em princípios humanísticos, éticos e deontológicos, utilizando não apenas sua capacidade intelectual, como, também, as habilidades vinculadas à aplicação de conhecimentos teóricos e práticos, bem como valorando as atitudes pertinentes a um bom relacionamento interpessoal no âmbito profissional, conforme mensagem enviada aos novos Juízes pelo Diretor-Geral, Desembargador Nilson Castelo Branco, e pelo Vice-Diretor, Desembargador José Aras Neto.

O Curso de Formação Inicial para Juízes Substitutos do TJBA é coordenado pelo Vice-Diretor da Unicorp, Desembargador José Aras Neto, e tem como Coordenadora Pedagógica a Juíza Rita Ramos, que é Coordenadora-Geral da Universidade.

Compartilhar:
Imprimir