Seu Browser não suporta JavaScript!
TJBA Radio
Logo
Rádio TJBA RÁDIO TJBA
Selo Justiça
Facebook Twitter Youtube Flickr Instagram

Juíza Sandra Magali fala sobre a carreira e outros assuntos na live “Série Memórias” – as mudanças que a pandemia nos impôs

Texto: Ascom PJBA

Compartilhar:
Imagem Galeria

“Em muitos aspectos, a justiça restaurativa tem uma dimensão e uma repercussão que nós não podemos mensurar.” É o que afirmou a Juíza Sandra Magali, durante a live “Série memórias” – as mudanças que a pandemia nos impôs, na tarde desta sexta-feira (10). Titular da Vara de Infância e Juventude e Execução de Medidas Socioeducativas de Ilhéus, a Magistrada falou um pouco sobre a carreira, projetos desenvolvidos por ela, justiça restaurativa e, também, sobre o momento atual.

Com 24 anos de magistratura, a Juíza contou que, aos 10 anos de idade, o pai disse que ela faria Direito. O tempo passou e ela começou a cursar Ciências Contábeis, mas decidiu ao longo da faculdade que queria seguir carreira no tribunal. E hoje, se orgulha da escolha.

“Profissão que muito me orgulha, porque me realiza enquanto mulher, profissional e enquanto mãe também, porque é a forma que eu sustento os meus filhos e a minha família. Amo muito o tribunal e cada um dos colegas que caminham junto ao meu lado, enfrentando os desafios, principalmente nos últimos dias”, disse.

Coordenadora do Cejusc de Ilhéus, a magistrada falou também, dentre outros assuntos, como chegou à justiça restaurativa e como foi a inserção da prática na carreira profissional. “Hoje vamos falar das mudanças que a pandemia nos impôs, e as vezes nós somos empurrados pelas mudanças que outras pessoas trazem, que o mundo traz, que doenças trazem, que conhecimentos novos trazem. A gente precisa ter a disposição para entrar nessa ‘engrenagem”, afirmou.

“Dois grandes marcos na minha vida que eu posso ressaltar. O primeiro foi estar na Vara da Infância e o outro foi conhecer a justiça restaurativa. A primeira pessoa que falou sobre justiça restaurativa foi a Desembargadora Joanice. Ela veio em Ilhéus fazer uma palestra sobre o tema e eu assisti aquilo tudo com certo estranhamento e pensei ‘meu deus, que coisa louca. Como é que no âmbito criminal, as pessoas vão sentar e fazer um acordo?’. Eu acho que grandes mudanças vêm de ideias malucas. É isso que nos permite crescer enquanto pessoa.”

Na Vara em que atua, a prática da justiça restaurativa também se faz presente. A Juíza falou de dois casos envolvendo adoção e que foram resolvidos por meio de acordos feitos nos círculos promovidos pelo Cejusc que coordena.

“Eu não tinha mais como resolver. Eu fiz audiência, sugeri a multiparentalidade para que constasse todos como pais e que fosse feito um acordo em relação a guarda, joguei toda a minha persuasão, todas as vantagens para a criança e não consegui absolutamente nada. Quando chegou o Cejusc, pensei ‘vamos mandar para o círculo’. Fizeram o círculo e foi uma coisa maravilhosa! Nos dois processos, conseguimos um acordo”, relembrou. A justiça restaurativa é usada também no projeto “Um olhar sobre as crianças e adolescentes de Ilhéus”, que faz parte da rede de proteção à criança e o adolescente.

Assista na íntegra a transmissão da live:

Lives – Para falar sobre as diversas mudanças e aprendizados causados pelo isolamento social e em decorrência da crise do novo coronavírus, o Núcleo de Justiça Restaurativa do 2º Grau promove a série de lives “As mudanças que a pandemia nos impôs”. Os bate-papos virtuais são realizados às terças e sextas-feiras, sempre às 17h, pelo canal do PJBA no YouTube.

O objetivo das lives é compartilhar as histórias de cada convidado, desde o início da carreira e também sobre o contexto atual: como se reinventar e quais são as perspectivas pós-pandemia? Está prevista a participação de outros profissionais, entre eles Magistrados, Promotores de Justiça, Delegados, Professores Universitários, Advogados, Psicólogos, Assistentes Sociais e Pedagogos.

Confira o calendário com as próximas lives

14 de julho (terça-feira) às 17h – Fernando Oliveira Piedade, Doutor em Direito pela UFBA, Coordenador do Curso de Direito da FAMAM

17 de julho (sexta-feira) às 17h – Evandro Luíz Santos de Jesus, Promotor de Justica MPBA

Durante o período de isolamento social, o NJR2 está realizando diversos Círculos Virtuais para lidar com as emoções e expectativas vividas em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Para participar dos círculos, basta preencher este formulário.

Compartilhar:
Imprimir