O Coordenador do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc/TJAM) e titular da 2ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho da Comarca de Manaus, Juiz de Direito Roberto Santos Taketomi, e o Coordenador dos Juizados Especiais do Poder Judiciário da Bahia (PJBA), Desembargador Paulo Chenaud, reuniram-se nesta semana, em Salvador, com o objetivo de viabilizar a cessão da plataforma de negociação virtual integrada ao Projudi, desenvolvido pela Corte baiana.

Instituído por meio do Decreto Judiciário n.º 650/2020, de 23/09/2020, o Sistema de Negociação Virtual do Projudi-BA consiste em um ambiente eletrônico alternativo e permanente, para a resolução dos litígios judiciais, por meio da interlocução direta entre as partes reclamantes e as empresas reclamadas. O desenvolvimento e a adoção da ferramenta pela Corte baiana já consta no Portal de Boas Práticas do Poder Judiciário, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), desde 14/12/2021.

A plataforma foi recentemente premiada como uma das vencedoras do Prêmio Conciliar é Legal, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), na categoria “Tribunal”. A cerimônia de premiação ocorrerá no dia 24 de maio com transmissão ao vivo pelo canal do CNJ no YouTube.

“Vim ajustar a cessão da plataforma com a direção do Tribunal da Bahia, em especial com o Desembargador Paulo Chenaud, Coordenador dos Juizados Especiais. O sistema está desenvolvido e integrado ao Projudi, sistema que utilizamos no interior do Amazonas. A cessão implica na promoção da participação colaborativa entre os tribunais, que trará economia de custos e tempo no desenvolvimento”, explicou o Juiz Roberto Taketomi, por telefone, de Salvador, onde está acompanhado dos servidores do TJAM Rodrigo dos Santos Marinho, Diretor de Sistemas Judiciais do Interior, e Rhedson Esashika, Chefe de Sistemas Judiciais de 1.º Grau.

Conforme explica o Diretor Rodrigo dos Santos Marinho, o próximo passo após essas reuniões será verificar a possibilidade do compartilhamento do sistema com o Poder Judiciário do Amazonas. “Vamos testá-lo e verificar se atende todas as necessidades”, disse Marinho.

O Analista de Sistemas Rhedson Esashika frisou que o Tribunal de Justiça do Amazonas vai solicitar do Poder baiano a base de dados e o código-fonte da aplicação poder fazer os comparativos de funcionalidade necessários, e de que forma serão implementadas. “Mas isso tudo será através das informações que estamos levando daqui de Salvador, que são a base de dados e código-fonte”, comentou.

O Juiz Roberto Taketomi já havia participado, na sexta-feira (7), por videoconferência de uma reunião com o Tribunal baiano, da qual também participaram o presidente do Sistema Permanente de Mediação de Conflitos (Sispemec/TJAM), Desembargador Délcio Santos, Márcia Rizatto, Secretária de Planejamento do TJAM e Rhedson Esashika. Pelo TJ baiano, participaram o Coordenador dos Juizados Especiais do PJBA, Desembargador Paulo Chenaud, e os servidores da Coordenação dos Juizados Caroline Godeiro, Leonardo Oliveira e Jonathas Carvalho, que esclareceram os pontos de dúvidas dos participantes sobre o funcionamento da plataforma.

Descrição da imagem: Coordenador do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc/TJAM) e titular da 2ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho da Comarca de Manaus, em reunião com o Coordenador dos Juizados Especiais do Tribunal de Justiça da Bahia (PJBA), Desembargador Paulo Chenaud e demais servidores dos poderes judiciários do Amazonas e da Bahia. [fim da descrição]

#pracegover #pratodosverem